terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Curiosidades: Sabão magnético e sabão ecológico

Sabão magnético pode limpar vazamentos de petróleo

O sabão é composto de sais ricos em ferro, dissolvido em íons de água, brometo e cloreto. Cientistas da Universidade de Bristol e do Institut Laue-Langevin desenvolveram um sabão magnético. O objetivo é limpar vazamentos de petróleo.

O sabão é composto de sais ricos em ferro, dissolvido em íons de água, brometo e cloreto. A partir desses componentes, é formado um núcleo magnético dentro das partículas do sabão. O uso de ímãs levanta as substâncias nocivas, mas sem perturbar o ambiente natural.

A preocupação vem dos acidentes petrolíferos, cujo impacto é devastador sobre a vida marinha. Por exemplo, o colapso da plataforma submersível de petróleo Deepwater Horizon, da BP (British Petroleum) lançou 4,9 milhões de barris de petróleo no Golfo do México durante 100 dias em 2010. O petróleo envenenou todo o ecossistema local.

De acordo com o relatório publicado na revista Nature, os produtos químicos lançados, como dispersantes e sabões industriais, criaram muitos problemas ambientais. Além disso, as moléculas só começaram a quebrar seis meses depois. Portanto, é necessária uma solução mais sustentável e segura, que possa ser coletada com facilidade após o uso.

Apesar de o sabão magnético ainda estar em fase teórica, os cientistas querem um detergente capaz de ser produzido para limpar os vazamentos de petróleo e de ambientes sensíveis com segurança e eficácia.

Submetido a testes limitados pelos pesquisadores, o sabão sensível a um campo magnético foi inserido em um tubo de ensaio, em uma solução orgânica menos densa. Então, o sabão levitou para a superfície com o efeito da força magnética.

Segundo os cientistas, existe a possibilidade do sabão magnético também ser usado para recriar o fenômeno em líquidos comercialmente viáveis, que podem ir desde o tratamento de água até produtos de limpeza industrial.

http://exame.abril.com.br

Sabão ecológico

Sabe todo aquele óleo de frituras que iria contaminar o meio ambiente? Ele pode virar sabão, deixando, assim, de poluir as águas e a atmosfera e contribuir para diminuir o aquecimento global.

A decomposição do óleo de cozinha emite metano na atmosfera, um dos principais gases causadores do efeito estufa, que contribui para o aquecimento da terra. O óleo de cozinha que vai para o ralo da pia chega ao oceano pelas redes de esgoto. Em contato com água do mar, esse resíduo líquido passa por reações químicas que resultam em emissão de metano.

Eu já fiz a experiência filtrando o óleo de cozinha usado e misturando-o, aquecido, à soda cáustica, aromatizante e água. A soda é tóxica, e foi preciso usar luvas para evitar queimaduras na pele e tomar cuidado com as vias respiratórias.

O melhor de tudo: ele é um sabão biodegradável, que se decompõe por bactérias depois de usado. É ecológico porque evita que o óleo chegue aos rios e cause degradação da água e impermeabilização do solo.

Aprenda a fazer o sabão, é super fácil:
  • Peneire o óleo para retirar os resíduos e impurezas;
  • Aqueça o óleo sem deixar ferver;
  • Use luvas e adicione soda cáustica (350ml para cada litro de óleo);
  • Para dar perfume ao sabão, adicione 1ml de aromatizante ou amaciante.
  • Mexa lentamente durante por 20 minutos;
  • Deixe descansar por um dia se for cortar em barras;
  • Após uma semana o sabão está pronto para ser usado.

Fonte: Ambiente em foco

Vegetação tropical emite menos CO2 do que se pensava

Sumidouros de carbono armazenariam 21% a mais de gases estufa. Mapeamento de cientistas ajuda na vigilância de países contra o desmate.

Estudo publicado na revista científica “Nature” mostra um novo mapeamento feito por cientistas sobre a vegetação tropical do planeta e aponta que as regiões que abrangem florestas, savanas e matas com arbustos guardariam 21% a mais de carbono do que se pensava.

Isto significaria uma desaceleração no desmatamento dessas áreas, consideradas sumidouros de carbono (que absorvem naturalmente este gás de efeito estufa da atmosfera e o armazenam no solo -- mais florestas em pé, menos CO2 emitido). Para se ter ideia, a Amazônia concentraria 30% de todo carbono do mundo (cerca de 100 bilhões de toneladas).

Com uma combinação que utilizou dados de satélite com informações colhidas em campo, pesquisadores das universidades Boston e de Maryland, ambas dos Estados Unidos, criaram um mapa que reúne informações da África, Ásia e América.

Essas estimativas são necessárias e fundamentais para a compreensão da quantidade de carbono liberado na atmosfera devido às mudanças na cobertura vegetal e uso da terra.

Aquecimento global

O desmatamento de florestas tropicais é considerado uma importante fonte de emissões de gases de efeito estufa, liberando a 1,1 bilhão de toneladas de CO2 ao ano.

O projeto auxilia nações e projetos ambientais a determinar melhores estimativas de emissões de carbono, necessárias para relatórios emitidos à Convenção Quadro das Nações Unidas para Mudanças Climáticas (UNFCCC, na sigla em inglês), que apoiam a iniciativa Redd+ (Redução de emissões por desmatamento e degradação).

Greg Asner, ecologista da Carnegie Institution for Science, disse em comunicado divulgado nesta segunda-feira (30) que “a resolução do mapa pode ajudar os países a implementar atividades de melhorar a gestão da floresta e auxiliará no combate às alterações climáticas”.

http://g1.globo.com

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Fotógrafo cria mundo fantástico com insetos

Fotografias em macro sempre chamam atenção por dar dimensões maiores e destacar os detalhes daquilo que normalmente passa despercebido ou é impossível de ser visto com precisão ao olho nu. Mas o fotógrafo israelense Nadav Bagim, mais conhecido como Aimishboy, foi além e resolveu dar um ar psicodélico aos close-ups que faz dos pequenos insetos que moram no jardim de sua casa.

Com objetos domésticos simples, como um saco plástico, legumes e borrifador de água, ele arma um cenário fantástico e de cores vibrantes para seus modelos, no caso, caramujos, louva-deus, formigas, lagartixas, lessams, entre outros insetos. O resultado é o que você vê ao lado: uma série de flashes com um quê de mundo mágico e ficção científica chamada de “WonderLand” (País das Maravilhas).

“Eu gosto de me ‘comunicar’ com os bichinhos e encontrar formas criativas, delicadas e inofensivas de manobrá-los para agir de acordo com o enredo na minha cabeça”, explica Bagim, que às vezes usa açúcar para atrair os insetos. Em seu site,  Aimishboy Photography, ele faz questão de destacar que nenhum bichinho se machucou durante o ensaio, que ainda está em desenvolvimento.

exame.abril.com








sábado, 28 de janeiro de 2012

Vale leva o título de pior empresa do mundo

Mineradora é a primeira companhia brasileira a ganhar o prêmio inglório do “Public Eye People´s”, realizado pelo Greenpeace e pela ONG Declaração de Berna.

A Vale foi eleita a pior empresa do mundo pelo “Public Eye People´s”, premiação realizada desde 2000 pelas ONGs Greenpeace e Declaração de Berna. É a primeira vez que uma companhia brasileira recebe o prêmio conhecido como "Oscar da Vergonha", que avalia os impactos socioambientais causados pelas empresas. O resultado foi divulgado durante o Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça. Em votação aberta ao público, a Vale foi eleita com 25 mil votos.

O segundo lugar ficou com a empresa de energia Tepco, que opera as usinas nucleares de Fukushima, com 24 mil votos. Também concorriam ao título a mineradora americana Freeport, a sul-coreana de eletrônicos Samsung, a suíça de agronegócio Syngenta e o o grupo bancário Barclays, vencedor do prêmio do Júri.
  
No site da premiação, a nomeação da Vale é justificada por uma “história de 70 anos manchada por repetidas violações dos direitos humanos, condições desumanas de trabalho, pilhagem do patrimônio público e pela exploração cruel da natureza”. O texto também condena o fato de a mineradora ter comprado, em abril do ano passado, 9% de participação no Consórcio Norte Energia S.A., responsável pela construção da usina de Belo Monte, no Pará.

A indicação da mineradora foi feita por um grupo de instituições sociais e ambientalistas formado pela Rede Justiça nos Trilhos, a Articulação Internacional dos Atingidos pela Vale, o International Rivers e a Amazon Watch.

Para expressar seu posicionamento sobre algumas acusações que foram feitas à empresa acerca de sua atividade, a mineradora criou uma página especial na internet, a ValeEsclarece,  que também reúne informações sobre suas ações de responsabilidade socioambiental. Em seu último relatório de sustentabilidade, também disponível online, a empresa afirma que “procura atuar com responsabilidade socioeconômica e ambiental nos territórios onde está presente, durante o ciclo de vida de seus empreendimentos e visa à construção de um legado positivo observando neste processo os termos globais de sustentabilidade”. Para 2012, a mineradora planeja investir US$ 1,65 bilhão em ações socioambientais.

http://exame.abril.com.br

Sandra Bullock dá dicas de sustentabilidade

Em entrevista à Oprah, atriz exibiu xícaras de café feitas de cana-de-açúcar e xarope de milho, talheres feitos de batatas e “marmitex” feito de cana.

Para a estrela hollywoodiana Sandra Bullock, a consciência ambiental é uma herança de família. Por toda infância, ela e sua irmã foram educadas por sua mãe a comerem alimentos macrobióticos e evitarem os produtos químicos e pesticidas. Embora admita que fosse uma “diversão difícil”.

"Não era divertido quando criança. Queríamos Cheetos e coisas boas...eu as odiava, [mas] eu adoro isso agora", disse Sandra, no Oprah Winfrey Show. A mãe da atriz recicla tudo - nada do que é comprado é eliminado. "Isso é surpreendente para mim. Agora mais do que quando eu era criança."

Quando menina, sua família comprava em lojas de pequeno porte que vendiam vitaminas, frutas e legumes livres de pesticidas e roupas feitas sem corantes ou produtos químicos.

"Minha mãe nos ensinou muito bem", disse. Mas, a melhor parte é que Sandra continua a usar as lições que sua mãe passou para sua vida pessoal e profissional. A atriz lê os rótulos dos produtos antes de comprá-los para ver quais ingredientes foram adicionados. "Se você não pode pronunciá-lo, você provavelmente não deveria estar colocando-o em seu corpo ou em seu ambiente", explicou ela.

Em 2006, quando Sandra abriu seu primeiro restaurante, Bess Bistro, em Austin, Texas, ela insistiu que as normas ambientalmente corretas fossem aplicadas. Em vez de usar utensílios de plástico e copos descartáveis, Sandra 'investe' em materiais biodegradáveis. Os recipientes usados por ela são, em sua aparência, semelhantes ao isopor, mas na realidade são feitos de cana-de-açúcar.

"Custam apenas alguns centavos", diz ela. "Acho que vale a pena - os tostões extras ajudam a nos certificar de que temos uma bela Terra."

A estrela, ambientalmente consciente, revelou tudo sobre seus segredos verdes como parte de um programa especial de TV transmitido no Dia da Terra na Oprah. A aclamada atriz exibiu xícaras de café feitas de cana-de-açúcar e xarope de milho, talheres feitos de batatas e “marmitex” feito de cana.

Sandra revelou que ela pesquisou alternativas biodegradáveis​​, quando abriu o restaurante e descobriu que não é muito mais caro seguir os padrões de sustentabilidade nos negócios.

Mesmo em casa Sandra se propõe a manter as coisas da maneira natural e utiliza apenas materiais orgânicos para limpar. Embora existam muitos produtos de limpeza “verdes” no mercado, Sandra afirma que você pode obter o mesmo efeito - e economizar dinheiro - utilizando os itens encontrados em seu armário.

Ela até compartilhou algumas dicas para uma janela completamente limpa. Sandra mistura três colheres de sopa de vinagre, um terço de uma colher de chá de sabão vegetal puro líquido e dois copos de água, em um frasco spray reciclado.

Um compromisso de longa data para uma vida saudável inspirou Sandra a começar sua própria linha de velas ecológicas feitas de cera de soja. “As velas são à base de soja. Tudo, até mesmo as caixas, são recicladas”, citou. A tinta spray preta que utilizada do lado de fora da caixa é orgânica.

A estrela de hollywood se inspirou para desenvolver as velas ecológicas depois de saber tudo sobre os produtos químicos que são normalmente utilizados em sua produção. Ela explicou: "Comecei a pesquisar e aprender sobre pavios de chumbo e produtos químicos em suas velas. Cera de soja é um recurso renovável”.

Sandra se diz feliz com seu novo hobby, e ela ainda brincou que isso poderia lhe proporcionar uma segunda carreira.

http://exame.abril.com.br

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

10 paraísos naturais que podem sumir do mapa

Conheça os redutos naturais do planeta mais vulneráveis às mudanças do clima e ao aquecimento global. O levantamento é da ONG Co+Life, baseado no Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU e no World Monuments Fund.

1 - Ilhas Maldivas

As pequenas e numerosas ilhas das Maldivas são tão belas quanto frágeis. Pelo menos 80% do arquipélago localizado no oceano Índico está apenas um metro acima do nível do mar. Uma elevação brusca das águas poderia varrer do mapa esse paraíso de praias de areia branquinha, palmeiras e atóis de corais. No último século, o nível do mar já subiu 20 centímetros em algumas partes do país. Temendo o pior, o governo local estuda comprar um novo território para o seu povo.




2 - Floresta Amazônica

O desmatamento ilegal e predatório é o principal inimigo da Floresta Amazônica, considera a maior caixa-preta da biodiversidade mundial. Estima-se que suas matas e águas concentrem 30% da biodiversidade da Terra. E o futuro da maior floresta tropical do mundo preocupa quando se olha os números do desmate. Só em agosto de 2010 e fevereiro de 2011, a Amazônia perdeu 1, 2 mil quilômetros quadrados de floresta, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).


3 - Monte al-Makmal

Situado no Oriente Médio, o Monte al-Makmal, com 3.087 m é um dos relevos mais altos do Líbano, em cujas rochas, aninham-se inúmeros mosteiros. Aos seus pés fica o vale Qadisha, declarado Patrimônio Mundial da Humanidade pela ONU em 1998. Ele é atravessado pelo rio sagrado Nabor que se estende por 35 km e tem sua origem em uma caverna localizada no monte, último reduto dos cedros do Líbano, árvore símbolo do país.





4 - Tuvalu

Assim como as Maldivas, o pequeno conjunto de nove ilhas localizado no oceano pacífico, entre a Austrália e o Havaí, sofre as consequências do aquecimento global. Com área de 26 km², o minúsculo Estado corre o risco de submergir diante do aumento do nível do mar. Nos últimos anos, as inundações constantes já vêm atrapalhando a produção de cultivos locais e a obtenção de água potável.




5 - Naukluft Park

O deserto da Namíbia concentra o maior número de dunas migratórias do mundo. No Naukluft Park, maior reserva animal da África ficam as dunas vermelhas que chegam a impressionantes 30 metros de altura. A ameaça à preservação dessa região reside na intensificação das correntes de ar que pode favorecer um maior deslocamento das dunas. A atividade agitada pode por em risco a fauna e flora locais.





6 - Plataforma de Gelo Ross

Situada na Antártida, a plataforma de Ross é maior do mundo, com cerca de 487000 km², área semelhante à da França. Esse "país" de gelo deve o seu nome ao marinheiro e explorador inglês James Clark Ross, que a descobriu em 1841. Apesar da espessura de centenas de metros, os cientistas temem que os paredões de gelo derretam em virtude do aquecimento do planeta, o que poderia causar uma elevação de 5 metros no nível dos oceanos.



7 - Kilimanjaro

No norte da Tanzânia, junto à fronteira do Quênia, ergue-se, em meio a uma planície de savana, o monte mais alto da África, um colosso com altitude de 5,8 mil metros. Este antigo vulcão, circundado por uma floresta de fauna e flora riquíssimas, foi declarado pela ONU Patrimônio da Humanidade em 1987. O Kilimanjaro tornou-se famoso por sua neve eterna no topo. Mas isso pode mudar. A camada de flocos de gelo está diminuindo a cada ano e estima-se que em uma década não haverá mais gelo algum no monte.



8 - Virunga National Park

Criado em 1925, o parque mais antigo da África é também o refúgio do gorila da montanha, que se encontra sob risco de extinção. Pelo menos 200 animais dessa espécie vivem no parque, localizado na República Democrática do Congo. Mas eles não estão a salvo. A floresta, que também abriga refugiados da guerra civil de Ruanda, de 1994, tem sido alvo de desmatamento e caça ilegal, o que ameaça a sobrevivência dos primatas.



9 - Galápagos

Foi nessas ilhas equatorianas, no oceano pacífico, que Charles Darwin revolucionou as ciências naturais criando a Teoria da Evolução, a um século e meio atrás. De lá pra cá, o arquipélago tem atraído turistas e curiosos do mundo todo, que querem conhecer sua fauna peculiar, que inclui muitas espécies endêmicas como as tartarugas de Galápagos. Contudo, o aumento crescente do turismo e da população local colocam em risco esse paraíso natural, que, há pouco tempo, era praticamente intocado.



10 - Santuário de Manas

Aos pés do Himalaia, no estado de Assam, na Índia, o santuário de Manas abriga uma grande variedade de animais, incluindo muitas espécies ameaçadas, como o porco-pigmeu, o rinoceronte indiano e o elefante indiano. Porém, a região figura na lista de patrimônios em risco da Unesco, desde 1992, ano quando militantes da tribo Bodo invadiram a área. Durante o ano seguinte, o santuário sofreu danos estruturais que beiram os dois milhões de dólares.

http://exame.abril.com.br

7 ecoedifícios positivamente energéticos

Construções sustentáveis capazes de produzir mais energia do que consomem a partir de fontes renováveis estão se tornando realidade pelo mundo. Confira alguns exemplos de sucesso dos chamados “energy positive buildings”.

Heliotrope: o pioneiro do superávit energético

Iluminado à noite, a prédio de design futurista se assemelha a uma nave espacial. Mas o Heliotrope, considerado a primeira construção com superávit energético do mundo, está firmemente ancorado na cidade de Freiburg, na Alemanha, desde 1994. O nome incomum é uma alusão ao movimento rotativo de suas placas solares que acompanham o percurso do sol, maximizando a exposição aos raios luminosos.
Ao longo do dia, todo o corpo da instalação também gira de modo a proteger algumas áreas do aquecimento excessivo e deixando entrar luz em outras. As varandas da casa cilíndrica também contam com persianas que afugentam o calor e ao redor delas um conjunto de corrimões dispõe de coletor solar para o aquecimento de água dos chuveiros e para o sistema de climatização.


Vilarejo alemão produz quatro vezes mais energia

Cinquenta e duas casas, entre residenciais e comerciais, formam o bairro ancorado em Freiburg, na Alemanha, que se tornou referência em boa vida e impacto ambiental mínimo. Situado em uma das regiões mais ensolaradas do país, o vilarejo de Sonnenschiff é capaz de produzir quatro vezes mais energia do que consome.
A autossuficiência é atingida através do seu projeto de energia solar, que utiliza painéis fotovoltaicos posicionados estrategicamente para aproveitar ao máximo a incidência dos raios de sol. Além de aproveitar a luz natural, com amplas aberturas para deixar o sol entrar nos ambientes internos, as casas ecológicas também contam com tecnologia para economizar água.
Os telhados possuem sistemas de captação de água da chuva, que depois é utilizada na irrigação de jardins e nas descargas de vasos sanitários, diminuindo ainda mais o impacto no ambiente.


Casa na Dinamarca vende o excedente

Desde 2009, a cidade de Lystrup na Dinamarca abriga uma casa nada convencional chamada Active House. O que a difere das residências tradicionais é a capacidade de produzir mais energia do que consome ao longo de um ano. Isso é possível graças à combinação de medidas de eficiência energética simples com tecnologias mias sofisticadas. No primeiro caso, um conjunto de janelas com tamanho até três vezes superior às de condomínios comuns permite o aproveitamento máximo da luz natural. Por sua vez, um sistema de tecnologia de ponta controla automaticamente por um computador a abertura e o fechamento do brises, de acordo com a incidência do sol.
Quando o interior esquenta demais, sensores automáticos abrem as janelas e frestas para ventilar o ambiente. E durante dias frios, se as janelas ficarem abertas por mais de uma hora, ele as fecha para evitar gastos com aquecedores de ambiente. O protótipo também conta com vidraças de três camadas para isolar o calor. Toda a energia que abastece a casa vem de placas solares dispostas ao longo de 50 metros de quadrados sobre o teto. Em dias nublados, para compensar a falta de sol, um gerador elétrico é acionado. Durante o verão, a energia produzida é suficiente para suprir a demanda da família que mora lá em caráter experimental e o excesso é vendido para a para a companhia local de eletricidade e serve como crédito para o inverno, quando o aparato solar fica mais ocioso.


Fab Lab House: energia em dose tripla

Construída pelo IAAC – Instituto de Arquitetura Avançada da Catalunha em parceria com mais 20 profissionais de várias partes do mundo , a Fab Lab House é um projeto idealizado inteiramente para atender aos quesitos eficiência energética e sustentabilidade.
A casa é capaz de gerar três vezes a energia que consome devido aos painéis solares e um gerador eólico localizados no telhado e também abriga um pomar para produzir alimentos orgânicos.

O interior é composto por um dormitório, um loft com camas para os hóspedes, cozinha e banheiro. É possível adquirir uma Fab Lab House a partir de 45mil euros em sua versão menor. Estima-se que a construção de uma unidade de 75m² leve apenas 15 dias.


Triple Zero House segue três pilares verdes

O arquiteto alemão Werner Sobek mira alto quando o assunto é sustentabilidade. Não à toa. Criador do Conselho Alemão de Construção Sustentável (DGNB), Sobek criou um padrão ambiental rigoroso para seus projetos chamado “Triple Zero”. Os três zeros significam: consumo zero de energia, emissão zero de carbono e zero resíduos na construção. Toda a energia que a casa precisa é produzida no local, através de painéis solares no telhado, e por uma troca de calor geotérmica com o solo através de um sistema que penetra na terra cerca de sete metros abaixo do prédio.
Segundo o arquiteto, é até mesmo possível desfazer toda estrutura do prédio e reciclá-la por completo sem agredir ao meio ambiente, no lugar de incinerar ou enviar para o aterro. Projetados para serem “leves” e fáceis de desmontar, esses edifícios minimizam ao máximo o uso de materiais como ferro, aço e até mesmo concreto - cuja produção industrial demanda muito energia – para privilegiar grandes janelas e divisórias de vidro internas. Modernas e sustentáveis, as peças modulares são conectadas através de simples parafusos.


Elithis Tower: o primeiro empresarial “positivo”

A Elithis Tower foi construída e desenhada pelo escritório francês Arte Charpentier como o primeiro prédio empresarial com superávit energético do mundo. Inauguruado em 2009, na cidade de Dijon, na França, o edifício é equipado com uma cobertura de 330 painéis solares que geram mais energia do que é necessário para o consumo da torre e reduz em até seis vezes as emissões de gases efeito estufa se comparado a um edifício comercial convencional.
Todos os materiais usados na construção deste colosso que ocupa cinco mil metros quadrados seguem padrões de baixo impacto ambiental. Além disso, todos os funcionários recebem constantemente orientações para garantir também uma ocupação sustentável, promovendo a cultura da consciência ambiental.


Kennedy Space Center: o lado verde da Nasa

Responsável por enviar o homem à lua, a Agência Espacial Americana não poderia ficar de fora dessa empreitada do futuro. No início do ano, a NASA inaugurou sua mais nova criação, uma base de pesquisa e desenvolvimento de tecnologia espacial que produz mais energia do que consome durante o dia. Não só isso. O Kennedy Space Center, em Orlando, na Flórida, também ostenta a certificação Leed, concedida pelo Green Building Council, que atesta que o edifício foi construído seguindo os mais avançados padrões de sustentabilidade.
Primeira instalação carbono neutro da Agência, o centro possui placas solares no teto, que respondem por um excedente energético de quase 40%. Claro que a iniciativa não compensa as intensas emissões do programa espacial americano, que depende de muito combustível, mas começar pelo mais simples, como a produção de energia para o abastecimento dos próprios edifícios, é um sinal verde para outras ações de mesmo apelo.

http://exame.abril.com.br

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Notícias do Mundo Ambiental

EUA anunciam novas regras para gerir florestas nacionais

Elas entram em vigor em março e vão substituir legislação de 1982. Segundo o governo Obama, elas vão proteger rios e animais selvagens.

O secretário da agricultura dos Estados Unidos, Tom Vilsack, anunciou novas regras para gerir cerca de 200 milhões de hectares de florestas nacionais. Elas entram em vigor no início de março e irão proteger bacias hidrográficas e animais selvagens, permitindo usos que vão desde a recreação até a exploração madeireira, segundo a administração Obama.
A regra atual de planejamento florestal é de 1982. Diversas tentativas de revizá-la foram negadas pelos tribunais federais na última década. Mais recentemente, um novo plano do governo Bush foi derrubado em 2009, acusado por ambientalistas de retirar importantes proteções florestais.
Vilsack disse que as novas regras refletem mais de 300 mil comentários recebidos após o lançamento de um rascunho do projeto, no ano passado. Elas reforçam a exigência de que as decisões sejam baseadas em conhecimento científico e permite que as florestas sejam usadas para uma variedade de propósitos, segundo Vilsack.
As diretrizes rão incentivar a recuperação de florestas e a proteção de bacias hidrográficas, criando oportunidades para a indústria madeireira e para recreação, considerou o secretário.
Vilsack, que se comprometeu a romper o impasse político sobre a gestão florestal, disse que a ênfase do novo regulamento no conhecimento científico e nos usos múltiplos das florestas deve permitir que ele enfrente possíveis processos judiciais de grupos ambientais ou da indústria da madeira.

Medidas

O chefe do Serviço Florestal, Tom Tidwell, disse que as novas diretrizes vão permitir que planos de manejo de florestas sejam concluídos mais rápido e a um custo menor.

O novo regulamento também deve dar mais flexibilidade para gestores florestais enfrentarem problemas locais, como incêndio, avaliou Tidwell.
"Nós vamos ser capazes de trabalhar mais - obter mais da floresta e criar mais empregos" e, ao mesmo tempo permitir maior uso das florestas para lazer, disse. O uso recreativo da floresta tem visto elevado crescimento nos últimos anos.
Como Vilsack, Tidwell falou que está otimista de que o novo plano vai resistir ao escrutínio de grupos ambientalistas e da indústria madeireira. Ambos os setores entraram com ações contra as versões anteriores do plano.
As 155 florestas nacionais e pastos gerido pelo Serviço Florestal tem 193 milhões de hectares e estão distribuídos por 42 estados americanos, além de Porto Rico. Tem sido difícil de encontrar um equilíbrio entre a indústria e a conservação nessas áreas.
"Diante de ameaças sem precedentes impostas pelo desenvolvimento industrial, essas florestas nacionais precisam de proteções nacionais mais fortes", disse Jane Danowitz, diretora de terras públicas do grupo Pew Environment. Segundo ela, as novas regras parecem refletir as opiniões de cientistas, da comunidade empresarial e de ativistas ambientais.
"O plano tem salvaguardas mais fortes do que aquilo que foi proposto anteriormente. O verdadeiro teste, no entanto, será se ele vai funcionar na prática", disse Danowitz.

g1.globo.com

Poluição de rio na China leva população a estocar água

Níveis de cádmio no rio Longjiang chegaram a três vezes o limite oficial. Poluição de córregos por resíduos tóxicos é um problema grave no país.

Residentes de uma cidade no sul da China correram para comprar água potável depois que níveis excessivos de cádmio carcinogênico foram encontrados na fonte de um rio que abastece o local, relatou a mídia estatal no mais recente escândalo de saúde a atingir o país.
A poluição dos córregos por resíduos tóxicos de fábricas e fazendas é um problema grave na China, levando as autoridades a clamar por políticas que exijam a eliminação da poluição por metais pesados, embora o problema não mostre sinais de estar sendo solucionado.
Os níveis de cádmio no rio Longjiang, na região autônoma de Guangxi Zhuang, chegaram a três vezes o limite oficial, afirma a agência estatal de notícias Xinhua, apontando como responsável uma mineradora.
Níveis excessivos de cádmio foram detectados no último domingo, disse a agência, acrescentando que as autoridades injetaram 80 toneladas de cloreto de alumínio, um agente neutralizante, no rio em uma tentativa de eliminar o fator de risco.
A China fechou uma indústria química na província central de Hunan em 2009 depois que os moradores protestaram contra a poluição de cádmio, que matou duas pessoas e afetou centenas de outras.
Apesar das promessas frequentes de Pequim de reduzir a poluição, autoridades locais com frequência colocam o crescimento econômico, a renda e a criação de empregos acima das preocupações ambientais.

g1.globo.com


Arquitetos projetam hotel sustentável para Nova York

O edifício terá energia eólica, geotérmica e solar, juntamente com estratégias de outros recursos de economia de energia para alcançar a classificação LEED Platinum.

O escritório norte-americano de arquitetura Oppenheim Architecture + Design ganhou recentemente o concurso internacional para projetar um novo hotel no Brooklyn, em Nova York. Um terceiro pilar da ponte de Williamsburg a surgir após 108 anos. O design do hotel tenta capturar a essência do bairro. Adjacente à ponte Williamsburg Bridge e ao histórico banco Williamsburg Savings Bank, o edifício se manifesta em três proporções: volumes retilíneos de altura variada e materialidade. “Voando” alto acima do bairro, o hotel passa a ser o terceiro pilar da ponte, enquanto serve como uma torre para a cúpula da basílica do banco histórico.
A sustentabilidade foi mais uma questão importante para os arquitetos. O hotel terá energia eólica, geotérmica e de geração de energia solar, juntamente com estratégias de outros recursos de economia de energia, para que eles possam alcançar a classificação LEED Platinum.
Com graça elemental e os clusters proporcionais das torres, o edifício evoca a tipologia tradicional dos arranha-céus de Nova York, mas a uma escala extrema, com a torre mais alta chegando a mais de mil metros de altura, mantendo uma profundidade de aproximadamente 41 m.
Assim como a ponte, as torres são uma fusão pura de engenharia e arquitetura, onde sistemas estruturais internos e externos são expressos em um padrão dinâmico e funcional. Os membros de aço diagonais da estrutura servem tanto para elaborar uma fachada primorosamente articulada, quanto para otimizar e resistir às forças laterais. O envelope facetado oferece uma visão incrível de Manhattan a partir dos quartos do hotel, bem como proporcionam um caleidoscópio sempre em mudança, que reflete e distorce a luz.
"Nós não queríamos que a forma do hotel estivesse em constante batalha com o banco adjacente. Nós tentamos fazer mais com menos, optando por uma solução atemporal que proporciona graça e drama por meio de manipulações poderosas de escala, materialidade e proporção”, declarou o arquiteto Chad Oppenheim.

http://exame.abril.com.br


Philips projeta uso de OLED em painéis solares

Os painéis de OLED seriam usados para captar a luz solar e transformá-la em energia.

Os painéis de OLED, usados na fabricação de telas de computador, podem ser a novidade usada nos tetos automotivos. Este é o projeto no qual a Philips e a Basf têm trabalhado, para captar a luz solar e transformá-la em energia.
A sugestão das empresas não é que essa energia seja usada para manter o carro em funcionamento. Trata-se de um projeto inovador, que permitiria a passagem da luminosidade durante o dia, e aproveitaria a energia armazenada para deixar o interior do carro iluminado durante a noite.
O sistema ofereceria ao condutor a sensação de estar dirigindo em um espaço aberto, conforme explicado por Feliz Gorth, líder do projeto. Além disso, os designers projetaram um sistema em que a claridade fosse suave e espalhada pelo automóvel, para não atrapalhar a visibilidade do condutor.
A tecnologia foi testada em um Smart, mas pode ser adaptado a qualquer automóvel e até mesmo em outros ambientes. Nos carros, o sistema funciona de maneira equivalente aos tradicionais, inclusive em seu acendimento automático assim que as portas são abertas.
Em declaração ao Daily Mail, o gerente geral de OLED da Philips, Dietrich Bertram, declarou-se feliz com o potencial do projeto, que apresenta a diversidade em possibilidades da utilização da tecnologia. A empresa aposta na eficiência energética da iluminação para adentrar ao setor automotivo.

http://exame.abril.com.br

7 construções verdes do futuro

Já imaginou como serão os prédios do amanhã? Confira a seguir uma seleção de projetos sustentáveis fora do comum.

China quer "Vale do Silício" verde

A área montanhosa de Miaofeng, localizada a cerca de 30 km a oeste de Pequim, está com os dias contados para se tornar uma espécie de Vale do Silício ecológico. Próxima à metrópole urbana de Beijing, a nova cidade vai combinar institutos de pesquisas científicas com foco em inovação, meio ambiente e desenvolvimento de tecnologias de ecoeficiência urbana.
Além disso, o projeto prevê a criação de vilas sustentáveis, com capacidade para até 50 mil pessoas. Quem assina o design é a empresa finlandesa Eriksson Architects, em colaboração com a consultoria Eero Paloheimo. Com ambições de ser neutra em carbono, o Mentougou Eco Valey pretende reduzir em um terço a sua pegada ambiental, quando comparada a de uma cidade tradicional e de tamanho similar. Atualmente, o projeto aguarda aprovação das autoridades chinesas para poder captar recursos junto a investidores.


Coréia do Sul é dominada por "montanhas verdes"

Gwanggyo é um bairro planejado da cidade de Seul, Coréia do Sul. Idealizado pelo escritório MVRD para abrigar cerca de 77.000 habitantes, o projeto venceu um concurso para um novo centro urbano no país. Os edifícios são compostos por anéis de deslocamento, que servem a um propósito duplo: disponibilizam espaços amplos nos terraços e permitem a criação de átrios interiores que podem ser utilizados para reuniões públicas. Toda a cobertura dos edifícios e os terraços foram concebidos com um sistema de circulação que permite a manutenção, irrigação e armazenamento de água. As construções futuristas abrigarão escritórios, residências e centros comerciais.


Masdar City, o futuro nasce em Abu Dhabi

A primeira cidade carbono-zero é uma visão do futuro que está virando realidade em pleno deserto árabe. Em construção nas areais do emirado de Abu Dhabi, Masdar City quer se tornar um exemplo mundial de comunidade sustentável e auto-suficiente em energia - a qual será garantida quase na totalidade por sistema solar.
A iniciativa vai abrigar 40 mil habitantes e 1,5 mil empresas de tecnologia limpa, além do já operante Masdar Institute of Science and Technology, uma universidade com foco em pesquisa e inovação, desenvolvida em cooperação com o Massachusetts Institute of Technology (MIT) e o Imperial College. O Emirado planeja suprir 7% de suas necessidades energéticas com fontes renováveis em apenas uma década. Há dois anos em construção, sob tutela da firma Foster & Partners, e orçada em 22 bilhões de dólares, Masdar City deverá ser concluída em 2016.


Hong Kong vai ganhar um porto ecológico

Longe de um exercício de futurologia, Hong-Kong começou a construir há pouco mais de uma semana aquele que pretende ser o primeiro terminal portuário sustentável do mundo. Projetado pelos escritórios de design Kai Foster Partners, ele vai ocupar as pistas de um aeroporto abandonado que fica a leste do tradicional porto local do país.
Destinado, em princípio, para receber os navios de cruzeiros, o terminal terá outras atrações, como um imenso parque verde no topo, além de uma ampla área livre para a realização de eventos a beira mar. Os salões principais, que chegam até 70 metros de pé direito, foram meticulosamente projetados para aproveitar ao máximo a incidência de luz natural.


Zorlu Ecocity, uma cidade dentro da outra

O tráfego de veículos e pessoas no centro histórico de Istambul, na Turquia, é tão intenso que os gestores da cidade estão tentando multiplicar o número de centros urbanos locais para preservar as áreas mais antigas. Zorlu Ecocity faz parte desse plano. Como uma cidade dentro de outra, esse centro sustentável e 100% planejado serviria à comunidade como uma cidade comum, um lugar para ser viver e trabalhar – só que sem o caos do trânsito, a aridez da paisagem e a poluição sonora e visual caracteristicamente urbanoides.
Suas 14 torres verdes terão entre 8 e 26 apartamentos cada e abrigarão residências, escritórios, hotéis e até mesmo um centro de repouso para idosos. E nada de estacionamento nas ruas, atrapalhando o trânsito e a travessia de pedestres: a cidade poderá receber até seis mil carros em um porão subterrâneo de sete andares. Farta de espaços verdes, o projeto de Zorlu foi concebido pelo badalado escritório oriental de 'eco-arquitetura' Yeang Llewelyn Davies.


Swimming City, uma cidade flutuante para prática esportiva

Em razão do derretimento das calotas polares, os seres humanos serão obrigados a viver em embarcações ou cidades flutuantes, em meados do terceiro milênio. Essa predição nada agradável é, na verdade, o pano de fundo da produção americana "Waterworld", estrelada por Kevin Costner, em 1995. Apesar de fictício, o cenário serve de inspiração para projetos futurísticos em um mundo severamente afetado pelas mudanças climáticas.
É o caso da plataforma flutuante "Swimming City", uma cidade sustentável voltada para programas de bem estar, práticas esportivas, entretenimento e "o que mais você puder imaginar", segundo seu criador, o húngaro Andras Győrfi, de 27 anos, vencedor do concurso americano de design gráfico Seastead. À semelhança de um flutuante "Club Med", a cidade convida ao relaxamento, com seus equipamentos de lazer, uma grande piscina, anfiteatro ao ar livre, heliporto, entre outros atrativos. Carros não têm lugar aí, já que cada esquina é facilmente acessada a pé por caminhos paisagísticos.


No deserto do Qatar, surge um “prédio cacto”

O Ministério das Relações Municipais e da Agricultura do Qatar, no Oriente Médio, está preparando a construção de um novo prédio comercial que tem a forma de um cacto. Desenhado por um escritório de arquitetura tailandês, o edifício se utiliza de estratégia semelhante a de um cacto para sobreviver no ambiente quente e seco, característicos dos desertos árabes.
A exemplo daquela planta, que durante a noite “transpira” para reter a água ao longo do dia, a construção também contará com um sistema que abre e fecha ventanas, criando sombras e controlando a temperatura interior de acordo com as variações de temperatura. O projeto é parte de um programa bilionário de incentivo à construção verde para racionalizar o uso de energia no país.

http://exame.abril.com.br

Os 10 países mais verdes do mundo

1 - Islândia

As condições geológicas deste país nórdico europeu sempre foram uma maldição e benção. Com mais de 200 vulcões, 600 fontes de água quente, e 20 campos de vapor de alta temperatura na ilha, a Islândia tem na atividade geotérmica a sua principal fonte de energia.
A energia que vem de baixo da terra supre mais de 80% da demanda nacional, enquanto o petróleo representa apenas 16%, servindo basicamente ao abastecimento de carros e como combustível para a indústria de pesca, uma das maiores fontes de renda do país.
Ainda assim, a Islândia investe pesado para substituir os combustíveis fósseis pelo hidrogênio. Desde 2003, o transporte público conta com ônibus movidos por esta tecnologia verde. O próximo passo é converter todos os automóveis e em seguida a frota pesqueira.


2 - Suíça

Pesquisas mostram que a população da Suíça está mais preocupada com a degradação do planeta do que com o emprego, os custos da saúde pública e a segurança. Os suíços são adeptos fervorosos da mobilidade sustentável, principalmente da bicicleta. Pudera, ao menos 10 ciclovias nacionais cortam o país de ponta a ponta. Lá, taxas para serviços de água e gestão de resíduos, bem como impostos ambientais que promovam a responsabilidade social são comuns.
Além disso, a Suíça é o país com maior densidade de usinas geotérmicas do mundo, mas essa energia limpa é quase totalmente vertida para aquecer casas, escritórios, hotéis e estufas durante os meses de inverno. Já a geração de eletricidade depende de usinas nucleares. No entanto, após o acidente na usina japonesa de Fukushima, o país anunciou que iria abandonar gradualmente essa fonte de energia.


3 - Costa Rica

O governo costa-riquenho está fortemente empenhado em seguir o exemplo da Islândia para a utilização de fontes de energia renováveis. Eles estabeleceram a meta de se tornar carbono neutro até 2021. Esse pequeno país da América Central sofreu com o desmatamento durante anos, mas agora um dos seus principais objetivos é reflorestar as regiões devastadas. Nos últimos anos, mais de cinco milhões de árvores foram replantadas. 
Cerca de 52% da superfície total do país encontra-se coberto de bosques e selvas e 25% do território encontra-se protegido. Os investimentos em energias alternativas e índices inéditos de recuperação da mata nativa fazem da Costa Rica referência mundial. Com esse desempenho ambiental o país tem conseguido apoio internacional e financiamento para programas de Redd (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação).


4 - Suécia

O empenho em reduzir progressivamente o uso de combustíveis fósseis, por meio de uma política nacional, coloca a Suécia no quarto lugar do ranking de Yale. O governo sueco também não mede esforços quanto à bioenergia. Há cidades, como Borás, que praticamente são livres de lixo porque reciclam a maior parte dos resíduos sólidos gerados pela população transformando-os energia. 
A produção abastece casas, estabelecimentos comerciais e até mesmo frotas de ônibus, que integram o sistema de transporte público. Mas essa geração limpa não nasceu de forma espontânea, ela foi implementada para atender uma rigorosa legislação que proíbe a existência de aterros sanitários nos países da União Europeia.


5 - Noruega

Quinta colocada no ranking de países mais verdes, a Noruega pretende se tornar carbono neutra até 2030. Em paralelo, financiará projetos de redução de emissões em países em desenvolvimento. Uma meta ambiciosa para uma nação que é ao mesmo tempo progressista sobre as alterações climáticas - com impostos sobre combustíveis fósseis e uma matriz energética dominada pela hidroeletricidade – mas também emissora por causa de suas exportações volumosas de óleo e gás natural. Felizmente, o que não falta é potencial e tecnologia para cumprir a meta. Em 2009, a Noruega inaugurou a primeira estrada com rede integrada de postos de abastecimento a hidrogênio em todo o mundo.


6 - Maurícia

A República de Maurícia ou Ilhas Maurício, que deve seu nome ao príncipe holandês Maurício de Orange-Nassau, é o sexto país mais verde do mundo. Ele também está entre os países mais desenvolvidos do continente africano segundo ranking da ONU.
O programa ambiental das ilhas Maurício está centrado sobre a reciclagem mecânica e energética de resíduos sólidos. Com centros de reciclagem espalhados por todo o território, o país mantém desde 2002 as taxas de reciclagem acima de 50%.






7 - França

Cada vez mais, os franceses fazem jus à reputação de “eco-friendly” (amigos do meio ambiente, no bom português). No país de Sarkozy, a bandeira verde é hasteada principalmente por uma política agressiva de eficiência energética. O programa prevê a redução das emissões de gases efeito estufa em 20% até 2020  além da expansão da matriz de fontes renováveis para 25% no mesmo período. O que não será fácil, já que a França é um dos mais dependentes de energia nuclear do mundo.
Cerca de 75% de toda eletricidade vem de usinas atômicas. Na avaliação EPI, a França apresentou bom desempenho em saúde ambiental, indicador que avalia a interação entre a natureza, a saúde humana e o desenvolvimento. Em Paris, um sistema de aluguel de carros elétricos, que conta com 3 mil veículos, deve entrar em operação até outubro deste ano. Se o projeto der certo, outras 40 cidades francesas devem se beneficiar do sistema.


8 - Áustria

Não é de se espantar a presença da Áustria entre os países mais verdes do mundo. Além de arquitetura, história e muita música, ela oferece à sua população e aos visitantes uma natureza incrível e, principalmente, bem conservada.
Atravessado pelo Rio Danúbio, este país montanhoso da Europa Central é destino recorrente dos amantes de esportes de inverno que têm nos Alpes seu ponto de encontro. Uma curiosidade: o país possui um programa que estimula a população a cultivar jardins com plantas e flores locais em suas casas.




9 - Cuba

O desempenho ambiental tem sido tão impressionante que o país saltou diretamente da 41ª posição para o nono lugar da lista em 2010. Isso graças à aposta na hidroeletricidade, em programas de reflorestamento e na fortificação de leis ambientais – atualmente as áreas protegidas representam cerca de 22% do território cubano. Os esforços de Cuba em prol do meio ambiente também se estendem à área de pesquisa científica em torno do tema da mudança climática, medidas de adaptação e mitigação.






10 - Colômbia

Décima colocada no ranking dos países com as melhores condições ambientais, a Colômbia tem a seu favor uma das maiores biodiversidades do mundo. Programas de conservação e destinação correta de verbas para a causa são fatores ajudam na média final colombiana, de 76,8.

Além do cenário natural privilegiado, o país é um dos mais “simpáticos” ao conceito de mobilidade sustentável. A capital Bogotá tem a maior malha cicloviária da América Latina. Bem sucedida, a experiência da cidade colombiana - onde apenas 13 % da população possui carros - tem inspirado planejadores urbanos em todo o mundo.




exame.abril.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...